I don't, but I would like to...
... have one cover or postcard with post mark from each post office from Faroe Islands.
They are not so many, but without you will not be possible.
I'm waiting your feedback... and of course I will support the cost deliveries or I'll send you back some nice cover with stamps from Portugal.

Please e-mail me for details...
mydogbono@gmail.com

Monday, 28 December 2009

SEPAC 2009

Issue: SEPAC 2009

Values: 10.00 DKK

Issue: 16-IX-2009

Author: ÓlavurFrederiksen

Perforation: 13 × 2cm

Technique: Offset

Printer: Cartor, France


Um velho ditado diz que “os ilhéus Faroeses nascem com um remo nas mãos". Muito poucos outros lugares na terra são tão fortemente influenciados pelo mar. Nessas íngremes e rochosas ilhas bombardeada por ondas fortes no meio do Atlântico, é difícil encontrar um local em que o mar não pode ser visto ou sentido, mesmo com os olhos fechados. O rugido do mar e os gritos dos pássaros do mar pode ser ouvido até mesmo em clima tranquilo. O boom do surf é ensurdecedor durante as tempestades de inverno. Os sabores do ar são de sal e de algas.

Mesmo que as ilhas tenham sofrido uma evolução, no sentido de uma comunidade empresarial moderna, diferenciando o modo de vida durante os últimos cinquenta anos, o Faroês ainda vive do mar - a frota de pesca das Ilhas Faroé é o maior do mundo, medida pelo tamanho da população. A pesca de piscicultura e a navegação são as áreas económicas mais relevantes para as exportações.

Cada país tem suas próprias paisagens e em cada país as pessoas vivem e não só pensam que os filhos são os melhores, como também pensam que as suas paisagens são as mais bonitas do mundo. Será que as pessoas são marcadas pelas paisagens em que vivem? Muitos poemas e muita escrita foram dedicados a esta questão. Mas há, sem dúvida, algo nesta questão - é inevitável que quem cresce sobre estepes sem limites ou entre os arranha-céus das grandes cidades, irá ter o seu carácter influenciado, cada um à sua maneira. E o que faz às pessoas nascer e crescer em ilhas rochosas, cercadas pelo mar interminável? Ao contrário de muitas outras criaturas na terra, que se distinguem pela flexibilidade incrível - uma vida isolada em uma ilha rochosa certamente pode ser trocada por uma movimentada vida urbana dos continentes. Os Faroeses podem ser encontrados em todo o mundo, e não em grupos de imigrantes, mas individualmente, espalhados nos quatro cantos da terra. Costumamos dizer que "há sempre um Faroês próximo". A maioria deles fez-se chegar a esses destinos remotos como marinheiros, ir a terra, e encontrar uma nova vida. Esses nossos conterrâneos aparentemente conseguem prosperar nesses lugares, mas uma característica recorrente é que eles são, ocasionalmente, dominados por um desejo de retorno para passar a sua aposentação na casa da sua infância, nas ilhas. Em certo sentido, dificilmente pode haver qualquer dúvida de que as paisagens têm uma influência sobre as pessoas - em obras de arte! Retratar paisagens tornou-se um tema central artístico, especialmente após o movimento romântico - o último quartel do século 19 nas Ilhas Faroé - natureza e paisagens têm sido um tema predominante, em primeiro lugar na poesia moderna, que rompeu com o antigo épico, e posteriormente em artes visuais e música.

A natureza é está lá, assim que você pisar fora da porta, a paisagem é vertical, importuno, rica em estrutura, forma e cor. O mar e o céu têm mil faces e iluminações e temos de reconhecer o facto de que as poderosas impressões do sentido da natureza, na contemporaneidade da arte pictórica da vida, ainda fazem sentir a sua presença como um baixo contínuo, também nas pinturas abstratas e semi-abstrata que caracterizam a arte moderna.


Traduzido e adaptado do texto original de Bárður Jákupsson


(English version)


An old saying has it that ”Faroe islanders are born with an oar in their hands”. Very few other places on earth are so strongly influenced by the sea. On these steep, rocky islands pounded by heavy surf in the middle of the Atlantic, it is difficult to find a location from which the sea cannot be seen or felt, even with closed eyes. The roar of the great sea and the screaming of the sea birds can be heard even in calm weather. The booming of the surf is deafening during winter storms. The air tastes of salt and smells of seaweed.

Even though the islands have undergone a dramatic development towards a modern, differentiated business community during the past fifty years, the Faroese still live off the sea – the Faroese fishing fleet is the biggest in the world, measured by the size of the population, and fishing, fish breeding, and shipping in general account for most exports.

Each country has its own landscapes and in each country live people who not only think their children are the best, they also think their landscapes are the most beautiful in the world. Are people marked by the landscapes they live amongst? Many poems and a lot of writing have been devoted to this much debated question. But there must undoubtedly be something in it – it is unavoidable that growing up on boundless steppes or among the skyscrapers of big cities will influence people’s characters, each in its own way. And what does growing up on rocky islands surrounded by the endless sea do to people? Unlike many other creatures on earth, we are distinguished by incredible flexibility – a secluded life on a rocky island can certainly be exchanged for a busy urban life in the heterogeneous human sea of the continents. Faroese can be found all over the world, not in immigrant groups, but individually, spread throughout the four quarters of the earth. We customarily say that ”there is always a Faroese nearby”. Most of them arrive at these remote destinations as sailors, go ashore, and find a new life. Our countrymen apparently thrive in these places, but a recurring trait is that they are occasionally gripped by a longing for their childhood surroundings, they still call themselves Faroese, and some return to spend their retirement at home on the islands. In one sense, there can hardly be any doubt that landscapes have an influence on people – in works of art! Since landscapes became a central artistic theme, especially after the romantic movement – the last quarter of the 19th century in the Faroes – nature and landscapes have been a predominant motif, first in modern poetry, which broke with the ancient epic lays, and later in pictorial art and music.

Nature is there as soon as you step outside the door, the landscape is vertical, importunate, rich in structure, form and colour. The sea and the sky have a thousand faces and illuminations and we must recognise the fact that the powerful sense impressions from nature in contemporary, living pictorial art still make their presence felt like a figured bass, also in the abstract and semi-abstract paintings that characterise modern art.

Bárður Jákupsson